Élcio Moreira (Jornalista e Apresentador) Serei sempre responsável pelo que escrevo, nunca pelo que as pessoas possam vir a entender.

Somos nós seres humanos animais racionais e políticos, e como tal temos nossas preferências, isto é perfeitamente normal, em especial quando falamos em relação as ideologias partidárias, e mais ainda quando defendemos a bandeira deste ou daquele candidato, isto não podemos negar; quem não tem suas preferências? Todos temos.

Não vamos questionar a razão de nós que militamos na imprensa sermos ou não imparciais, mas convenhamos que é preciso que esta imparcialidade seja dominante em relação a parcialidade, e se esta última persiste, que nós formadores de opinião como dizem, que deixemos para praticar fora dos veículos de comunicação, não deixando assim transparecer esta paixão por um determinado candidato, e em contra partida, ficar literalmente destruindo a imagem de outro, esta com certeza embora até possamos assim agir, não é uma boa prática jornalística, em especial nos microfones de rádios, e canais de televisão, que sem dúvidas a abrangência é muito maior do que os jornais impressos, ou nos sites de notícias.

Na política partidária brasileira, já assistimos de tudo, amigos se tornarem adversários, bem como inimigos se tornarem correligionários, tudo isto em razão deste ou daquele buscar lograr êxito em suas campanhas, melhor dizendo ser eleitos, isto não deve os tornar inimigos.

Nada impede que quaisquer cidadãos (ãs) compactue com a maneira de administrar de um gestor, como também nada impede que outros não compactue, portanto é um direito livre que todos temos, e mais importante é que quando se trata de pessoas civilizadas, os postulantes não deveriam espumar de ódio quanto aos que os rejeitam, isto por si só já é o suficiente para que nos distanciemos, pois a política não pode ser constituída de ódio, de vingança, não é este o papel do bom político, afinal o vencedor irá governar para todos; se não deveria ser.
Hoje dia 14 de Outubro de 2020, quero declarar aqui que participei ativamente da candidatura de um prefeito de nossa região, fui sem dúvidas um dos que mesmo sem tanta exposição naquele momento optei por apoia-lo, a pedir votos; naquela ocasião vislumbrava sim um município diferente, mas diferente em especial no que concerne a uma administração progressista, mas acima de tudo humana, onde pobres, e necessitados fossem melhor alcançados pelo poder público, mas infelizmente não foi isto que vi, muito pelo contrário, em épocas tão difíceis, de tantas dificuldades assisti funcionários públicos sendo esmagados, literalmente sangrados, vi tributos sendo aumentados ao extremo, dando-nos a entender de que o papel preponderante de uma prefeitura parecia ser o de arrecadar; sem uma análise prévia do social, de uma sociedade onde a média salarial é de um salário mínimo, vi uma câmara onde muitos vereadores ficaram avessos ao povo, vi milhares de pessoas sendo escritas em dívidas ativas do município, sem que houvesse uma condição mais humana das pessoas quitarem seus débitos, digo prazos mais extensos; vi as pessoas acuadas, com medo, literalmente com medo de um poder autoritário, de um poder economicamente dominante, vi comércios sendo fechados por não suportarem a carga de tributos, vi escolas da área rural sendo fechadas e crianças sendo tiradas de seu convívio rural, vi uma SECRETARIA DE AGRICULTURA SENDO FECHADA, em um município eminentemente agro pecuário, sem que nada justificasse, afinal deveria esta ser uma das mais fortes e atuantes naquele município.

Tivemos alguns avanços é inegável, sendo o cartão de visita a grande reforma de um hospital, que teve sim a colaboração dos empresários, e outras pessoas que colaboraram para tal, iluminação se a de Led hoje é a melhor, outrora nem lâmpadas Led existiam, mas a cidade tinha as melhores lâmpadas da época, tubos armcos vieram para substituir a escassez de madeira para fazer pontes, teriam que vir, fosse quem fosse o prefeito.
Quanto as políticas sociais nada de especial, nada que viesse para satisfação da população no seu todo, programas assistenciais aos necessitados nada de grande vulto, nem mesmo agora nos tempos de pandemia, onde muito poderia ter sido feito para ajudar as pessoas mais carentes, bem como os menores comerciantes, afim de que uma política de emprego fosse mantida.

É por estas e outras que não me faço presente com os correligionários do prefeito deste município, sei o que é sofrimento, me eduquei com padres franciscanos, sou cristão, e sei o que é amar ao próximo, sei o que é ter empatia, e sei o que significa para uma sociedade, um poder dominante, e autoritário, e este pode ser tanto de esquerda como de direita, se dominante não faz bem.

O que importa é que nós cristãos, nós que acreditamos piamente em Deus possamos sempre analisar a Bíblia, para tirarmos lições para nossas vidas, e eu fiz isto, ao ler, e reler, provérbios 29, VS. 2 que diz: “ quando o justo governa o Povo se alegra, mas quando o ímpio domina o povo Geme.”
Eu estou aqui, pedindo aos amigos leitores que façam uma análise deste versículo da Bíblia, e depois pare e pense.