General Villas Bôas é exonerado do Gabinete de Segurança da Presidência

Saída teria sido motivada devido à saúde delicada do ex-comandante do Exército

 
Luana Patriolino

(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

O general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas foi exonerado do cargo de assessor especial do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, nesta terça-feira (21/6). O pedido partiu do próprio ministro da pasta, general Augusto Heleno. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União e assinada pelo ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira.

Villas Bôas foi escolhido, em 2015, pela então presidente Dilma Rousseff para assumir o comando do exército. O general permaneceu no cargo por quatro anos e, em 2019, anunciou que iria trabalhar no GSI a convite do presidente Jair Bolsonaro (PL). Na ocasião, o militar expressou felicidade em trabalhar com o chefe do Executivo.

“Gostaria de externar a minha felicidade por receber uma missão do PR @jairbolsonaro ao ser convidado para integrar o Gabinete de Segurança Institucional, no qual poderei continuar contribuindo para o desenvolvimento da nossa Pátria”, escreveu no Twitter à época.

Saúde delicada

A saída de Villas Bôas da pasta teria sido motivada pelo quadro de saúde delicado. Ele sofre de esclerose lateral amiotrófica (ELA) e teria decidido focar nos cuidados pessoais.

presidente Bolsonaro já comentou publicamente sobre a condição do ex-comandante do Exército. Em março, durante discurso na cerimônia alusiva ao Dia Mundial de Doenças Raras, o chefe do Executivo elogiou Villas Bôas.

“Eu sempre o julguei como homem forte e patriota, acima de tudo, e quis nessa estrada da vida que ele enfrentasse o grande obstáculo. Confesso, não esperava que ele fosse um homem tão forte, como são os senhores aqui, nesse dia, nesse evento, dos portadores de doenças raras”, disse.

correiobraziliense