(crédito: Martin Bernetti/AFP)

O balanço feito pelo Ministério da Saúde confirmou, nesta sexta-feira (9/10), mais 27.444 casos do novo coronavírus e mais 682 mortes em decorrência da covid-19. No total, o país já acumula 5.055.888 de diagnósticos positivos e 149.639 óbitos. Os números colocam o Brasil em terceiro lugar no ranking de países com mais casos e em segundo quando se avalia os países com o maior número de vítimas, segundo a Universidade Johns Hopkins.

O Brasil observa uma redução na média móvel de casos e mortes. De acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), o índice dos últimos sete dias está em 607 fatalidades e 25.052 infecções diárias. No entanto, o ritmo de novos casos deve fazer com que o país chegue aos 150 mil óbitos neste sábado (10), previsão que compactua com os levantamentos do Portal Covid-19, iniciativa formada por pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB) e da Universidade de São Paulo (USP).

Estados
Apesar de ver números de óbitos mais baixos no cenário nacional, os dados dos estados continuam preocupantes. Com uma taxa de mortalidade de 3%, o Brasil vê 24 estados extrapolarem a marca de mil mortes cada. Nesta sexta-feira, Tocantins entrou para o rol, ao somar, desde o início da pandemia, 1.002 vidas perdidas. Somente três estados ficam de fora dessa lista: Amapá (725), Acre (674) e Roraima (670).

Do lado contrário, no topo da tabela, São Paulo e Rio de Janeiro são as únicas unidades federativas com mais de 10 mil mortes. O estado paulista lidera o ranking negativo de mortes provocadas pela covid-19, com 37.068 vidas perdidas pelo novo coronavírus; no Rio são 19.222 vítimas.

Em seguida estão: Ceará (9.126), Pernambuco (8.397), Minas Gerais (7.992), Bahia (7.075), Pará (6.636), Goiás (5.138), Rio Grande do Sul (5.100), Paraná (4.736), Amazonas (4.222), Maranhão (3.849), Distrito Federal (3.640), Espírito Santo (3.432), Mato Grosso (3.245), Paraíba (2.904), Santa Catarina (2.893), Rio Grande do Norte (2.416), Piauí (2.197), Alagoas (2.126), Sergipe (2.083), Mato Grosso do Sul (1.409) e Rondônia (1.392).