(crédito: Reprodução/SSP-SP)

A Polícia Federal pediu que o nome de André Oliveira Macedo — conhecido como André do Rap — passe a integrar a lista dos mais procurados da Interpol, já que instituição considera que o traficante fugiu do Brasil. André do Rap desapareceu no último sábado (10/10) quando foi solto por um habeas corpus concedido pelo ministro do Superior Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello.

Policiais civis do Paraná, Santa Catarina e São Paulo procuram André do Rap desde que o ministro Luiz Fux derrubou a decisão de Marco Aurélio Mello). Entretanto, segundo o Ministério Público do Estado de São Paulo, o traficante pode ter deixado o Brasil em direção ao Paraguai ou a Bolívia.

Habeas corpus

ministro Marco Aurélio de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou que o governo de São Paulo soltasse o traficante André de Oliveira Macedo com base no argumento de que ele estava preso desde o fim de 2019 sem uma sentença condenatória transitada em julgado.

Conhecido como André do Rap, o traficante é apontado como chefe do PCC e foi preso em 2019 em uma casa de luxo em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. André do Rap foi condenado em dois processos, porém, ambos ainda não transitaram em julgado. No primeiro, ele foi condenado a 15 anos e 6 meses de prisão, e no segundo, a 10 anos e 2 meses. Saiba mais detalhes sobre a história de André.

Nova prisão

Na noite de sábado (10/10), o presidente do STF, Luiz Fux, suspendeu a decisão do ministro Marco Aurélio Mello, atendendo a um pedido da Procuradoria-Geral da República. Fux baseou sua decisão no fato de André do Rap ser “de comprovada altíssima periculosidade”.