Por telefone, Putin diz a Bolsonaro que fornecimento de fertilizantes continua

Conversa entre os dois líderes foi acordada durante a recente cúpula do Brics, realizada em formato virtual na semana passada, e não consta na agenda oficial desta segunda-feira (27/6) de Bolsonaro

Ingrid Soares

(crédito: AFP)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) e o líder russo, Vladimir Putin, conversaram nesta segunda-feira (27/6) por telefone. Segundo o Kremlin, segurança alimentar e energética mundial foram alguns dos assuntos tratados. O governo russo informou ainda, por meio de uma nota, que o país cumprirá com “todos os seus compromissos para fornecer ininterruptamente fertilizantes ao Brasil”.

A conversa entre os dois líderes foi acordada durante a recente cúpula do Brics, realizada em formato virtual na semana passada, e não consta na agenda oficial de hoje de Bolsonaro.

“Os problemas da segurança alimentar global são considerados em detalhes. O presidente da Rússia fez uma avaliação detalhada das causas da difícil situação do mercado mundial de produtos agrícolas e fertilizantes. A importância de restaurar a arquitetura do livre comércio de alimentos e fertilizantes, desmoronada pelas sanções ocidentais, foi enfatizada”, apontou o Kremlin.Ainda segundo a nota, Putin ressaltou que a Rússia está empenhada em cumprir suas obrigações de “garantir o fornecimento ininterrupto de fertilizantes russos” ao Brasil. “A intenção mútua de fortalecer consistentemente a parceria estratégica entre os dois países foi confirmada, incluindo a expansão da cooperação mutuamente benéfica em vários campos, incluindo agricultura e energia.
Alguns assuntos da agenda internacional também foram abordados, inclusive levando em conta a presidência rotativa do Brasil no Conselho de Segurança da ONU a partir de 1º de julho”, acrescentou o Kremlin.

Questionados sobre a reunião, o Itamaraty e a Secretaria de Comunicação palaciana não se manifestaram.

No dia 16 de fevereiro, Bolsonaro se reuniu com Putin. Na ocasião, em discurso na Rússia, o chefe do Executivo afirmou compartilhar valores comuns com o líder russo e pregou sobre a paz em relação ao conflito no leste europeu. Ao afirmar a neutralidade do Brasil na guerra, Bolsonaro foi criticado por não adotar postura mais firme contra o autocrata russo. 

correiobraziliense