Uma ideia que tinha tudo para continuar sendo um exemplo para o país, quando os assuntos são políticas públicas, preservação ambiental e melhoria da qualidade de vida da população, começa a ser alvo de ações para enfraquecê-la.

Estamos nos referindo do Consórcio Público Intermunicipal de Rondônia (Cimcero), que é a união de vários municípios para juntos desfrutarem e dividirem os custos de determinados serviços.

Em nosso Estado, o Cimcero faz a gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) com a coleta urbana sendo realizada em 4 cidades e o transporte desse material em 7. Um desses municípios beneficiados é Jaru, mas que apesar da qualidade do serviço prestado pela empresa responsável, decidiu abandonar o consórcio e fazer um novo processo licitatório para ter uma outra empresa atuando fazendo a coleta de lixo na cidade e nos distritos.

A atual coleta de lixo em Jaru abrange também os distritos, e o lixo coletado é transportado até uma área de transbordo. Nos próximos meses está prevista a inauguração do aterro sanitário que receberá todo o lixo gerado pelo município e distritos.

O trabalho até então, está sendo executado a contento e seguindo todas as regras e cuidados no trato desse tipo de material. Três caminhões coletores de lixo e 18 funcionários trabalham no município, fazendo o recolhimento e transporte dos resíduos produzidos pelos moradores. O mesmo trabalho também é ofertado nos municípios de Novo Horizonte, Castanheiras e Pimenta Bueno.

PAGAR MAIS

Mas a Prefeitura de Jaru decidiu fazer uma nova licitação para a escolha de uma nova empresa para a coleta do lixo na cidade, sem explicar o motivo da mudança. No último dia 18 de dezembro de 2020, ocorreu o processo de licitação, sendo escolhida a empresa RLP – Rondônia Limpeza Pública e Serviços de Coleta e Resíduos Ltda.

Essa empresa é liga a MFM, que recentemente, se viu envolvida em escândalos em Rondônia, que culminaram com a prisão de quatro prefeitos rondonienses, pela Polícia Federal na famosa ‘Operação Reciclagem’.

Além desse fato, o que chama a atenção nessa contratação da RLP pela Prefeitura de Jaru, é que a população vai pagar mais caro pelo serviço de coleta de lixo. Isso porque, com a nova empresa fazendo o mesmo trabalho, a cidade de Jaru irá pagar pelo serviço R$ 290,00 por tonelada lixo coletada, enquanto que antes pagava R$ 249,00 por tonelada coletada.

Isso mostra que ao invés de se economizar com o dinheiro público, aumentou-se os gastos para os cidadãos jaruenses, que são quem, de fato, paga as despesas públicas da cidade, através dos impostos.

Diante de toda essa situação, a pergunta que não quer calar é: ‘o que os moradores de Jaru e distritos ganham com essa mudança promovida pela prefeitura da cidade na questão da coleta de lixo?’.