Mariana Carvalho e Expedito Júnior (PSDB); o senador Marcos Rogério, do DEM; Expedito Neto, do PSD; Lindomar Garçon, do Republicanos (ex-PRB), Daniel Pereira, do Solidariedade e ainda do presidente da Assembleia Legislativa, Laerte Gomes,

Vem aí um daqueles Frentões de respeito, para as eleições municipais de outubro. Ele vai reunir os pesos pesados do PSDB, DEM, PL (ex PR) PSD, PRP, Republicanos (ex PRB) e Solidariedade. Uma série de reuniões já está programada para o interior do Estado, reunindo todas essas lideranças com possíveis candidatos, tentando unir esforços em torno do projeto comum que o Frentão está alinhavando.

Dentro dele, nomes como a deputada federal Mariana Carvalho e Expedito Júnior (PSDB); o senador Marcos Rogério, do DEM; Expedito Neto, do PSD; Lindomar Garçon, do Republicanos (ex-PRB), Daniel Pereira, do Solidariedade e ainda do presidente da Assembleia Legislativa, Laerte Gomes, que é tucano, mas pode estar indo para o PL (ex PR), como convidado especial.

Claro que há muito mais gente de todas essas siglas que participa do programa, mas pelo peso eleitoral dessa turma toda, vê-se que eles não estão tratando de questões impossíveis e inviáveis, mas sim de um projeto de grande porte, para todo o Estado, que pode mexer com as estruturas da eleição municipal deste ano. As primeiras reuniões já estão agendadas. A inaugural será dia 7 de fevereiro, uma sexta-feira, ou seja, daqui a uma semana, no auditório do Posto Catarinense de Vilhena, a partir das 9h da manhã.

A ideia é reunir lideranças de todo o Cone Sul do Estado, para debater a proposta do Frentão. No sábado, dia 8, em busca de dialogar com nomes da região do café e da Zona da Mata, o mesmo grupo que lidera a proposta se reunirá em Cacoal, na Câmara de Vereadores, às 9 da manhã. No mesmo sábado, 8, à tarde, 14 horas, a reunião será na Câmara de Vereadores de Ji-Paraná. A intenção é atrair, para o debate do grupo, políticos e futuros candidatos da região central do Estado e das cidades da BR 429.

A última da série de reuniões, está agendada para Ariquemes, para o domingo de manhã, dia 9, na Câmara municipal. O grupo espera ali lideranças de todo o Vale do Jamari. Em outras datas, ainda a serem discutidas, haverá encontros semelhantes na região de Porto Velho e outras áreas do Estado. É claro que a eleição municipal é o alvo mais próximo. O que é um claro pano de fundo, é que o grupo está de olho também em outubro de 2022.

Está claro, não está?

A verdade é que outubro já começou. O MDB, por exemplo, através de suas lideranças, também anda se mobilizando, principalmente pelo grupo liderado pelo senador Confúcio Moura e o deputado federal Lúcio Mosquini. Ambos criaram o projeto “Pé na Estrada”, onde visitaram quase duas dezenas de cidades nas últimas semanas, arregimentando membros do partido, simpatizantes e novos nomes.

Confúcio chegou a escrever nas redes socais que estava empolgado e emocionado, com a participação de jovens no partido.

A eleição esquenta, tanto dentro quanto fora dos partidos.

PEDRO BEBER É O NOVO PRESIDENTE INTERINO

Ainda sobre o MDB: Mosquini garante que o partido continuará sendo o maior do Estado e que vai eleger o maior número de Prefeitos. Internamente, os emedebistas ainda têm alguns problemas a resolver, embora da porta para fora se diga que está tudo pacificado. O presidente regional, o senador Valdir Raupp, ainda está afastado das lides políticas, com raras aparições públicas. O presidente interino, Tomás Correia, renunciou à primeira vice-presidência e, por consequência, da presidência interina da sigla, em nível regional. Assumiu agora, interinamente, o segundo vice-presidente Pedro Beber, que também preside o Instituto Ulysses Guimarães, uma das organizações mais importantes do partido. O terceiro vice é Mosquini, que está se encaminhando para ser o novo comandante da sigla. Os dois grupos andam conversando, mas apenas internamente, sem que se saiba exatamente o que está sendo acertado. Pedro Beber, de Candeias, já foi secretário municipal em Porto Velho e é um nome respeitado no MDB. O grupo que tem mandato (leia-se Confúcio e Mosquini), vai ampliar as negociações políticas, também dentro do partido, pensando em 2020, mas também já de olho em 2022.

GARÇON ABRE O JOGO NO DIRETO AO PONTO

Lindomar Garçon não tem papas na língua. Fala o que pensa. Não enrola. Na entrevista que concedeu a Sérgio Pires, no programa Direto ao Ponto deste final de semana (sábado ao meio dia e domingo às 7h30 da manhã na Record News Rondônia e a partir do final de semana, no site Gente de Opinião e outros do Estado), isso ficou mais uma vez comprovado. Ele lembra sua carreira, desde o cargo de vereador em Candeias até dois mandatos de Prefeito naquela cidade e os mandatos de deputado federal; relata tudo o que conseguiu de recursos para Porto Velho e Candeias – 33 milhões para a Capital, 17 milhões para a cidade onde foi Prefeito – e diz que paga mil reais a quem comprovar que algum parlamentar tenha liberado mais de 500 mil para Porto Velho e que o dinheiro já tenha chegado. Fala sobre política, sobre o futuro, sobre seu trabalho como secretário especial do governo de Hildon Chaves e da sua aparição, famosa, na sessão que cassou o mandato de Dilma Rousseff. O papo com Garçom no Direito ao Ponto está imperdível!

QUE CULPA TEM OS EMPREGADOS?

Está na hora das autoridades resolverem o problema de proteção aos funcionários da Energisa, a empresa que distribui e cobra a energia elétrica dos rondonienses. Há uma clara revolta contra os altos preços cobrados nas contas de luz e, no mesmo nível, protestos quando empregados da empresa, apenas cumprindo ordens, vão cortar a luz em áreas onde há muitos gatos ou ligações irregulares. Nessa semana, no bairro da Balsa, ocorreu mais um desses episódios. Ali existem várias moradias irregulares, com ligações clandestinas e é óbvio que a Energisa vai agir nesses casos. Quem se sentir prejudicado ou achar que houve algum exagero ou ainda descumprimento da lei, tem que registrar queixa contra a Energisa e recorrer à Justiça. Ameaçar a integridade dos funcionários agrava ainda mais o problema. Ameaçar trabalhadores, os encurralar sob ameaça, tentar apreender carros da distribuidora, não resolve a questão. O povão tem que lutar por energia mais barata e para todos. Mas tem é que ajudar a Energisa a acabar com os gatos. Porque esse sim é um crime que toda a sociedade paga. Todos nós, consumidores, que nunca roubamos nada, na verdade, somos quem paga energia para os que a roubam. É justo?

CAMPEÃ DE AÇÕES NA JUSTIÇA

Sobre a Energisa, aliás, trata-se da empresa campeã em ter contra si um número inacreditável de ações judiciais. O site Rondônia Dinâmica, registrou, por exemplo, que num único dia, a empresa teve que pagar mais de 327 mil reais em indenizações por danos morais, por ter extrapolado seu direito de mexer na vida dos consumidores. Todos os dias, principalmente as Varas Cíveis do Judiciário rondoniense recebem inúmeras novas denúncias. O site registra várias decisões judiciais, imputando culpa à distribuidora. Aliás, a questão que envolve a Energisa e sua ligação com Rondônia ainda terá vários rounds. Na segunda quinzena de fevereiro ou início de março, a CPI que está sendo realizada na Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado Alex Redano e com a relatoria do deputado Jair Montes, vai voltar com tudo. Serão pelo menos mais 90 dias de audiências, para ouvir queixas dos consumidores, antes que a direção da empresa seja convocada para dar sua versão, na CPI. Ou seja, o caso vai longe, ainda.

SAÚDE ESTADUAL GANHA 100 MILHÕES

O governador Marcos Rocha e o secretário de saúde, Fernando Máximo, estão comemorando muito os bons resultados no setor, que começaram no ano passado e estão seguindo o mesmo caminho nesse início de ano. Além de grandes melhorias no Hospital João Paulo II; mutirões oftalmológicos de cirurgias ortopédicas, tanto na Capital como interior, Rocha anunciou, com pompa, a liberação de mais 100 milhões de reais, autorizados pelo presidente Jair Bolsonaro, para investimentos na saúde rondoniense. Marcos Rocha apresentara o pedido no ano passado, mas o assunto foi encaminhado ao ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, que ficou de estudar se haveria recursos disponíveis para o Estado. Para surpresa do próprio Rocha, a grana toda já está na conta. Será investido em vários projetos, na melhoria da qualidade do atendimento e no futuro hospital de Pronto Socorro de Porto Velho.

UMA CIDADE DOMINADA PELA CHUVA

A chuva não tem dado trégua à população de Porto Velho, assim como tem atingido o interior com força. Várias regiões do Estado estão em alerta. Na Capital, por exemplo, o rio Madeira anda querendo sair do leito novamente, como aconteceu em 2014, quando se registrou a maior cheia da história da cidade. Sem ter como escoar, as águas tomam conta de ruas, de bairros inteiros, de avenidas importantes, deixando desesperados os moradores das áreas mais atingidas e preocupados aqueles que têm que trafegar por locais perigosos, quando o temporal parece que nunca vai arrefecer. Desde o final de semana que o porto velhense sofre com a chuva torrencial. As piores tempestades aconteceram na segunda a noite (foi a mais assustadora, porque trouxe consigo mais de dois mil raios) e na manhã da quinta, quando grande parte dos bairros ficou inundada novamente. Numa das áreas mais complicadas, a região próxima à confluência das avenidas Rio Madeira com Rio de Janeiro, a inundação foi terrível. Um dos comerciantes da área contou ao vereador Júnior Cavalcante, (ele foi pedir apoio da Prefeitura para, ao menos desentupir bueiros, para amenizar o problema), disse que teve um prejuízo de mais de 50 mil reais, com tudo o que perdeu. Terrível!

É GUERRA: MERCADO, IDEOLOGIA, RELIGIÃO…

Sócia majoritária na “empresa” Rio de Janeiro, onde manda e desmanda há décadas, a Rede Globo está enfrentando uma outra guerra duríssima, além daquela que já trava contra o presidente Jair Bolsonaro. Com o mesmo vigor com que apenas faz críticas ao governo federal, esquecendo qualquer fato positivo ou apenas os divulgando quando não tem outra saída (e assim mesmo de forma suscinta), ela abriu outra frente de batalha, contra o prefeito Marcelo Crivella. Os dois lados têm dado golpes abaixo da cintura, um no outro. A Globo tenta colocar Crivella como o pior prefeito da história da cidade (obviamente, porque não lhe dá um tostão de publicidade, enquanto seus antecessores enchiam os cofres da empresa com contratos milionários!) , enquanto o Prefeito tem atrás de si não só uma concorrente direta da Globo, a Rede Record, como ainda, o apoio da poderosíssima Igreja Universal do Reino de Deus, a IURD, fundada pelo pastor Edir Macedo que é também o dono da Record. Ou seja, é uma guerra de mercado, ideológica e também religiosa. Abrindo tantas frentes de batalhas, a ainda mais poderosa emissora do país vai conseguir se manter nos mesmos níveis de até agora?

PERGUNTINHA

Você está assustado com o noticiário apavorante sobre a chegada do coronavírus em todas as regiões do Planeta, inclusive no país ou acha que é exagero e que a situação não é tão horrorosa assim?