Uma das principais insatisfações é a ANM, onde existe cerca de 200 mil projetos de mineração parados.

Na foto o senador Marcos Rogério ao lado de um dos filhos de Bolsonaro e o presidente.

O ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, é alvo de insatisfação de deputados e senadores que querem substituí-lo no comando da Pasta. A informação foi publicada pela Folha de São Paulo e confirmada pelo site Congresso em Foco . O senador rondoniense Marcos Rogério (DEM foi apontado ao site como nome para ser ministro por fontes do Senado.

O senador de Rondônia é ligado à área e preside a Comissão de Infraestrutura do Senado. Ele é vice-líder do DEM e próximo do presidente Jair Bolsonaro. Também é cotado o deputado Fernando Coelho Filho (DEM-PE), que foi ministro da área em 2017 no governo de Michel Temer (MDB), e é lho do líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). Paralelo a isso há uma tentativa de tirar a Agência Nacional de Mineração da Pasta para ficar vinculada a algum ministério do Palácio do Planalto (Casa Civil, Secretaria de Governo ou Secretaria-Geral).

Os congressistas reclamam da falta de proximidade da pasta com o Poder Legislativo, ela é considerada estratégica para a economia. Uma das principais insatisfações é a ANM, onde existe cerca de 200 mil projetos de mineração parados.

Da assessoria