REMEDINHO DA VOVÓ, FARMACOLOGIA, FUMAÇA DO PAJÉ…

Dizem por aí que em matéria de futebol, todo brasileiro tem um pouco de  técnico,  nada de anormal,  trata-se de um esporte considerado a paixão nacional, onde cada um tem uma visão diferenciada de como o técnico do clube que o cidadão  é torcedor,   deveria escalar seu time, ou ainda qual o sistema que deveria jogar.

Somos também um povo muito apegado a medicina da vovó, daquele chazinho que vem das plantas, e que com certeza já nos curou muitas vezes, o que também não deixa de ser normal, afinal temos os medicamentos  fitoterápicos, que são derivados exclusivamente de plantas, assim muito dificilmente iremos encontrar alguém aqui nas terras de Cabral, que já não tenha tomado o famoso chazinho da vovó,  ou que já não tenha discutido com relação a vitória,  ou derrota do seu time

Somos sim sabedores, de que a cultura de um povo é construída no decorrer de algumas centenas de anos, assim é   que determinados costumes que são aceitos em uma região, não fazem  parte de práticas aceitas em outras, configurando-se o que normalmente nós costumeiramente escutamos ou seja “ tudo é uma questão de costume,”

Quando analisamos a questão da covid/19, a única certeza que temos é    que a mesma tem  provocado  em todos nós;   o medo de morrer, e isto ninguém quer; talvez daí surja esta vontade tão grande de a seu modo;   mesmo que sem qualquer comprovação,  inventar uma receitinha, o que não nos parece o correto, pois muitas vezes podemos até está criando situações que poderão trazer complicações, afinal por tratar-se de uma doença nova, não existe realmente nada que comprove a sua cura cem por cento.

Sabemos do chazinho da vovó, da fumaça do PAJÉ, até dos medicamentos produzidos pela grande indústria farmacêutica,  como a própria  vacina que  não existe uma garantia  ainda;  de uma  imunização cem por cento, sendo usada neste primeiro momento apenas para que, em caso de sermos infectados, sejamos de uma maneira leve, moderada, e assim não tenhamos que ocupar leitos nos hospitais.

Não vamos aqui questionar crendices, não é o objetivo deste artigo, mas é preciso  que tenhamos os cuidados necessários, para não nos deixarmos levar por tantas orientações de cura da covid/19,  que são colocadas nas redes sociais,  e que muito claramente percebe-se que não  têm nada a ver, muito pelo contrário algumas delas podem prejudicar em muito as pessoas, complicando quem sabe, o quadro clínico daqueles que poderão vir a fazer uso.

Portanto tenhamos os cuidados necessários, e procuremos sim, seguir as recomendações dos órgãos de saúde, dos médicos, e estudiosos que cuidam do problema;  e por enquanto as recomendações são manter o distanciamento, evitar aglomerações, usar máscaras, e lógico quando chegar a sua vez, fazer uso da vacina.

No mais, é mantemos empatia, e solidariedade com os que perderam seus entes queridos, orando a Deus para iluminar nossos governantes, para que sabiamente possam encontrar as soluções para este problema tão sério que aflige a humanidade.

Esqueçamos simpatias, deixemos as crendices de lado; aí estão os nossos próprios índios deixando a cura  através dos PAJÉS, e passando a confiar na ciência, afinal é esta sim, que tem salvado o mundo de tantas pestes, de tantas doenças,  que nos tem perseguido,  no decorrer dos anos.